Grand Duke Besta the Smokerous of St Winifred by Winchelsea
Quinta-feira, 9 de Fevereiro de 2006

Desejo, pele, vento

Quando a madrugada vem


 e o vento sopra…


 a pele em poesia desabrocha dizendo nua versos de arrepios.


E se o vento sopra sussurrante


como uma brisa morna


estremecendo os pelos,


a pele, que é poesia,


mergulha em desvarios,


canta para a Lua


versos de delírios


e espera, suplicante,


o toque redentor


         até que o vento,


         em sopros de amor


         se deita sobre a pele


         e as suas mãos segura…


Então a pele, agora em loucura


sente os cabelos longos do vento


fazerem cócegas… ouve os


sussurros do vento nas costas,


sente sobre si o peso do desejo


         e cândida, rende-se…


         lânguida, deita-se…


         ávida, molha-se…


Sente nas costas o peso


do vento


         e treme…


         agita-se…


         inunda-se…


         e.. sonha…


Tem dentro de si o corpo


do vento


         e fecha-se…


         e move-se…


         e geme…


         e goza…


         grávida, imensa, grata, plena…


Quando a madrugada vem


e o vento sopra,


a pele em poesia desabrocha


e a vida inteira fica diferente…

publicado por wildbeast às 00:45
link do post | diz mal ou bem | favorito
|
3 comentários:
De Anónimo a 12 de Fevereiro de 2006 às 09:17
Não há palavras que descrevam o que senti ao ler
este poema. Lindooo...na quietude do silêncio em
que me encontro apenas deixo aqui o meu aplauso...ao Grande Senhor da Poesia......Wild!!

Maria (de Moura)maria
</a>
(mailto:mariavaladas@hotmail.com)


De Anónimo a 9 de Fevereiro de 2006 às 22:33
Bolas!!!! Cortaste-me a respiração, wild. Adorei tudo neste menu de entrega...Um abraço amigoferrus
(http://ferrus.blogs.sapo.pt)
(mailto:ferrus1@gmail.com)


De Anónimo a 9 de Fevereiro de 2006 às 13:47
Wild... excelente combinação de imagem com as palavras, formam o todo. Lindo!!!! (...)ela que sorri
(http://searadecores.blogs.sapo.pt/)
(mailto:emmep@sapo.pt)


Comentar post